Quinta-feira, 16 de Outubro de 2008

8e; 5b; 10j...

 

... 3 barcos ao fundo?

 

 

Até ao Verão ainda acreditei que seriamos capazes de tirar esta barca do lamaçal e pô-la a navegar. Cada um de nós remava para o seu canto mas a viagem ainda parecia comum – a falta de unidade podia até ser um factor acrescido de interesse, uma mais-valia como se costuma dizer hoje. Não se pretendia fazer uma exposição[zeca] com os quadrinhos todos bonitinhos uns ao lado dos outros, bem referenciados [ o seu a seu dono e trá-lá-lá...], mas sim algo que fosse para além da mera presença individual de cada um dos artistas e que, destacando-se pela diferença em relação às abordagens habituais,   não deixaria no entanto de revelar o contributo de cada um deles.
 
Infelizmente quer me parecer que não é apenas unidade que falta mas sim união. Ao trabalhar todo o material vídeo e sonoro que recolhi desde o início do ano e que pretendíamos viesse a ser um dos elementos catalisadores [juntamente com um texto que entretanto deixou de haver] não consigo pressentir essa união. Encontro momentos díspares, dinâmicas e entusiasmos dissemelhantes e sinto que de facto, neste projecto que nos poderia ter levado tão longe arriscamo-nos a não chegar a lado nenhum.
 
Outras prioridades, atrapalhações e dificuldades, muitas delas alheias ao trabalho do pintor/artista acabaram por interferir neste processo e conferir-lhe um peso quase insuportável. No post anterior perguntava-me a mim mesmo se valeria a pena o esforço. E volto a frisar o que disse porque não creio que tenha surtido efeito à primeira: num lugar onde aparentemente haveria mais hipóteses de criar um projecto bem sucedido acabamos por esbarrar em mesquinhices e criar ainda mais entraves e hesitações do que aqueles com que me confrontei no Brunei onde imperava uma mentalidade malaio-islamica determinada em afundar todo e qualquer projecto que incomodasse o statu quo.
 
Deus terá dado a noz a quem não tem dentes?    
 
Talvez, para poupar esforços e o que quer que se possa salvaguardar mais, o melhor seja assumir o que fizeram já os meus companheiros de viagem: remar para o meu canto.
 
Será que teremos exposição?   [jfx]

 

 

artistas residentes [OD]:
[OD] às 16:39
link do post | comentar
1 comentário:
De [FV] a 18 de Outubro de 2008 às 14:48
Olá companheiro. Já li este teu post várias vezes e não o entendo. Afinal o que é que mudou?
Navegar é difícil e sempre houve piratagem.
Eu tenho estado a trabalhar/pintar. Mesmo com os engulhos criados, tenho estado a ‘remar’.
Pelo motivo que conheces não tenho estado fisicamente presente na [OD], mas deleguei em ti o meu voto para as situações correntes. E manifestei-me sempre disponível para aparecer quando a minha presença fosse imprescindível. [FV]
Por mim a ‘barca’ não irá ao fundo, mesmo que a exposição vá ao ar.


Comentar post

mais sobre a [OD]

pesquisar

 

Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Lá Vai Ela - II

UMA BARCA... 3 HOMENS/3 P...

Diário De Bordo

3 momentos de uma barca

A Barca. O Homem do leme ...

8e; 5b; 10j...

AMAR LISBOA DO MAR

Quantas vezes revisitada?...

Documento Oficial

Aguarela

arquivos

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

artistas residentes [OD]

fernando vidal

fernando vidal;

freitas cruz

freitas cruz;

rui aço

todas as tags

links

blogs SAPO

subscrever feeds